A correlação do bullying escolar com a depressão dos adolescentes

13 nov 2018
Matheus Paulino
184
0

O bullying nas escolas tanto brasileiras quanto no mundo a fora, é um ato que corresponde ao crescimento significativo ao longo das décadas. São raros os casos de adultos que ao falarem sobre sua adolescência, não desabafem sobre alguma situação de bullying em algum momento de sua vida escolar, seja ela por sua aparência, sua personalidade ou até mesmo o jeito de agir em seu cotidiano.

As formas de bullying se originam de uma única definição: “Bully é um ato caracterizado pela violência física e/ou psicológica contra outro(s) indivíduo(s), ou um grupo(s) sem uma forma de expressão clara. ” Esse pensamento acontece de forma sistemática que marca as vítimas principalmente na sua infância, onde sua forma de concepção sobre o mundo, é de certa forma “frágil” a julgamento alheios.

Pesquisas feitas relevam que o bullying não é só mais um acontecimento infeliz na vida de cada um, pois não é possível identificar quanto dano essa agressão tanto física ou psicológica causou e pode acarretar em mudanças a longo prazo nas vítimas, que ao passar dos anos, pode emergir do subconsciente da vida a lembrando desse ocorrido, a fazendo criar um trauma comparado ao de crianças que sofrem abusos sexuais, sendo consequências desse trauma crises de ansiedade ou ataques de pânico por lembrar do ocorrido, baixa autoestima, abuso de drogas ou depressão.

Falando especificamente da depressão que recebe uma atenção a mais dos pesquisadores, esse aspecto cria uma espécie de casulo social que faz a vítima entrar em um estado de pânico por achar que sempre está em uma situação ameaçadora, optando por um dos maiores índices de mortes na adolescência que é a auto mutilação que permanece em uma linha tênue entre essa ação e o suicídio, já que adolescentes que optam por essa opção pensam sobre isso durante um longe do tempo e na maioria das vezes, esse comportamento não é notado nem pelos seus pais ou amigos próximos.

Portanto a maior contra medida a depressão e consequentemente ao suicídio é o acompanhamento dos adolescentes e dos responsáveis quanto do e amigos mais próximos, criando também um ambiente mais amigável para que o adolescente se abra com mais facilidade sobre seus problemas.