Confira como foi o Evento que trata a Consciência Negra na ETEPAM!

17 nov 2017
mucio
364
0

Hoje, 17 de novembro de 2017, a Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães contou com o evento da Consciência Negra que ocorre já há alguns anos na instituição. O evento foi marcante para os alunos, principalmente os do primeiro ano que tiveram a oportunidade de acompanha-lo pela primeira vez. O projeto contou com um horário marcado por diversas palestras de temas diversos que traziam um assunto em comum: os negros.

Durante a manhã, algumas turmas puderam acompanhar o projeto, primeiramente, puderam prestigiar a apresentação da turma de 2° Ano de Manutenção e Suporte de Informática B. Além da apresentação belíssima e cheia de cultura, os estudantes puderam acompanhar duas palestras, uma de um professor da Universidade Federal de Pernambuco, que pôde explicar tudo o que vivenciou como pessoa e como negro e as diversas situações que passou. Ele buscou explicar o racismo de uma forma dinâmica e diferente do que nós vemos no nosso cotidiano. Após isso, a antiga estudante da instituição Dara Almeida, estudante de Filosofia e Ciências Políticas foi responsável pela palestra que contou um pouco mais sobre o Genocídio dos Jovens Negros no nosso país. Ela trouxe por meio de dados diversas situações sofridas por negros que nem sempre são vivenciadas por pessoas de outra cor, graças a uma força policial que muitas vezes segrega. Além disso, ela trabalhou o diálogo e por muitas vezes fez com que os estudantes pensassem e refletissem para que pudessem descobrir a sua própria posição sobre os determinados e inúmeros temas.

Ainda no evento, nós tivemos a oportunidade de conversar com uma estudante e descobrir como ela se sentiu, quando questionada sobre os anseios que possuía pelo evento e o que achou do mesmo, ela respondeu, “Não tinha muita expectativa, mas eu encontrei no projeto uma coisa que me chamou atenção, eu gostei bastante e espero repetir a experiência no ano que vem, é uma experiência muito enriquecedora graças a todas as palestras”, disse Maianne Jéssica, Estudante do 1° Ano de Logística A.

Tudo isso nos leva a imaginar o quanto que o projeto é interessante, a oportunidade de conhecer a posição de pessoas, de parar um dia, que deveriam ser mais, para discutir a posição do negro e tudo o que eles sofrem na nossa sociedade é muito oportuno para discutir políticas públicas e necessárias para trabalhar o preconceito e uma certa “desvantagem” que é sofrida por esse povo na nossa sociedade. É salientador ressaltar que é necessário discutirmos sim, e num futuro bem próximo alcançarmos a tão necessária igualdade social e criar uma democracia racial que realmente funciona, é papel nosso e da sociedade correr atrás desses direitos, não importa qual seja a nossa cor ou o que nós achamos que seja a nossa cor, nós devemos correr atrás pelo que é do outro e buscar contribuir da melhor forma para transformar o futuro do nosso povo e criar um caminho justo para as nossas futuras gerações.