Consciência Negra uma luta, uma resistência e um orgulho realçado

28 nov 2018
Rafael Gomes
227
0

Ontem na ETEPAM foi realizado o evento da Consciência Negra, supervisionado e estruturado pela professora Micheline Maria trazendo para a instituição o conceito do que é ser negro, como algo que vem a princípio de seus ancestrais, representando a sua história e a sua cultura são simultaneamente marginalizados e depreciados por aqueles que definem o seu caráter e sua vida simplesmente pela cor da sua pele. Esse foi um dos questionamentos que o projeto nos trouxe e para ajudar-nos a entender sobre esse assunto, personificações das tradições africanas foram trazidas para palestrar, aqueles que desafiaram o sistema racista, sendo ele social e político, mantendo sua história e a cultivando mesmo nesses dias turbulentos.

No início da culminância do evento, foi efetuado uma apresentação artística mostrando símbolos da resistência africana contra o sistema, na apresentação de figuras como Marielle Franco e Francisco Nzumbi, representantes da causa africana tiveram uma parte de sua história mostrada. Apresentação essa que foi elogiada pelos palestrantes, que foram devidamente apresentados pela professora Micheline que estabeleceu o tema do evento como “(RE) Eduque seu preconceito” e começou suas apresentações.

Os convidados para a mesa redonda da consciência negra de nossa instituição foram:

  • A primeira chamada foi Dara Almeida, ex-aluna da instituição, licenciada em filosofia pela INUCAP, além de estar se graduando em ciência política pela UFPE, sendo a mediadora da mesa de convidados.
  • Continuando as apresentações, Daniele Melo da Silva foi a segunda chamada, ela é mãe, feminista, artesã, turbanteira sendo também uma produtora social vinculada ao Maracatu Nação Cambida Estrela e se graduando em serviço social na universidade UNIBRA.
  • A terceira representante também vinculada ao Maracatu Nação Cambinda Estrela é Rafaela Gomes que exerce a função de educadora, fotógrafa e videasta que participa da diretoria e comissão pedagógica da organização.
  • Recebemos como quarta palestrante a psicóloga formada pela UFPE, Gioconda Sousa que cursa o mestrado de Consumo, Cotidiano e Desenvolvimento Social na UFRPE além de ser uma colaboradora da comissão de enfrentamento ao racismo.
  • Fechando a equipe de palestrantes, está José Antônio Rufino que é Mestre em Letras pela UFPE, atua no Gestor de Igualdade Racial de Paulista/PE e também é coordenador no Movimento Negro Unificado MNU/PE, além de exercer outras funções.

Os convidados abordaram suas próprias teses sobre a igualdade racial, sistema de cota e orgulho africano que ao decorrer do evento também responderam perguntas relacionadas ao constrangimento que passaram por serem negros, apropriação cultural como músicas e acessórios, abordaram também o colorismo e finalizando com seus próprios pensamentos sobre o combate ao racismo.

Agradecemos pela participação dos convidados em homenagem ao mês da consciência negra da instituição, que nos proporcionou um conhecimento diverso sobre a sociedade.