Pluralidade Cultural 2017: África, o Berço da Humanidade

9 out 2017
mucio
598
0

Durante os dias 04 e 05 de outubro a Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães presenciou o projeto capitaneado pela Professora de Geografia Israely Baihé e os estudantes do terceiro ano do curso de Manutenção e Suporte de Informática. Os estudantes compareceram a instituição em horário normal para acompanhar o desabrochar do projeto durante o dia, com várias palestras e representações de todas as turmas da ETEPAM que representaram cada uma um país.

Ainda no início da manhã, as turmas puderam revelar os dois estudantes de cada sala, escolhidos para serem os representantes de cada país no desfile, os mesmos deveriam estar caracterizados com o vestuário do seu respectivo país e carregar a bandeira do próprio até o palco, onde poderia desenvolver uma fala em que explicasse algumas características do seu país e explicasse o porquê das cores das bandeiras dos mesmos. Após o ato inicial de desfile representando cada turma e revelando um pouco da cultura e do jeito de cada país, os estudantes, coordenadores, professores e visitantes tiveram a oportunidade de visitar o quiosque ao lado do auditório onde puderam presenciar a gastronomia dos países do horário da manhã, comprar alguns pratos salgados e doces e acompanhar como se desenvolvia a situação de cada sala com os jurados, além da possibilidade de admirar a decoração de cada país tentando se identificar com os mesmos.

Após o momento de intervalo em que os júris puderam degustar os pratos apresentados pelas turmas, todos retornaram ao auditório e puderam acompanhar a palestra ministrada pela Me. Minancy Gomes com o tema que envolveu Doenças Negligenciáveis. A professora pôde palestrar explicando fatores que geram as doenças que abrangem o continente cada vez mais, casos como doenças que são provocadas por bactérias e que particularmente assustaram todos os estudantes com as suas estruturas, em que tinham aparências totalmente complicadas e difíceis. A maioria das imagens eram de pessoas que já haviam morrido ou estavam a beira da mesma, com exemplos que iam da famosa Barriga D’água até a “Lepra”, como alguns costumam chamar. Após a palestra da mesma, os estudantes puderam seguir ao caminho do intervalo do almoço onde descansaram e a tarde retornara ao auditório.

Durante a tarde do dia 04, o grupo de Ballet KilanduKilu pôde se apresentar mais uma vez sendo ovacionado por todo o auditório e por todas as pessoas que tiveram a sorte de prestigiar a dança dos mesmos. Com o fim da belíssima apresentação, um estudante do 11° período de Medicina na Universidade Federal de Pernambuco pôde ministrar uma palestra falando sobre o HIV e a Aids no continente africano nos dias atuais. Ele se aprofundou no assunto e contou a origem da mesma, de forma bastante simples, conseguiu explicar para todos os estudantes como o HIV surgiu e mexeu com os especialistas da década de 80 que ficavam confusos e não conseguiam encontrar o “x” da questão, mas, anos mais tarde, identificaram que o vírus pode se encontrar de 07 a 10 anos no hospedeiro até se manifestar e encontrou a resposta para a epidemia na época de 70. O fator de se manifestar tarde acaba fazendo com que se espalha mais fácil por pessoas que acham não estarem infectadas e continuam fazendo com que o vírus progrida, tornando ainda mais difícil o combate. Hoje, países como o nosso tornam o tratamento bem mais simples vendendo os medicamentos de forma barata ou até de graça para países africanos, as pessoas podem ser tratadas e o vírus já pode não se encontrar mais no seu organismo/ela pode continuar a ter uma vida sexual ativa sem preservativo enquanto toma os medicamentos e as pessoas não são infectadas pelo vírus.

Com o fim da palestra de Raonne, todos puderam acompanhar a primeira parte da ONU Jr, onde os países Moçambique, Camarões, Quênia, Angola e Argélia puderam declarar como o HIV existe em seus países e como o vírus é combatido pelo governo, os estudantes usaram do seu tempo para mostrar a todos os presentes as medidas que são organizadas para a diminuição do HIV em seus países, promovidas pelo governo ou por ONG’s. Com o fim da primeira metade da ONU Jr, o Doutor José Bento pôde iniciar a sua palestra que falou sobre as diásporas africanas. Ele mostrou por meio de slides como o povo africano era tratado na Idade Média, os filhos de Cam, como eram chamados, isso só revelava que o povo africano além do pecado original também possuía o pecado por serem filhos de Cam, os europeus acabam acreditando nessa história e tratavam os povos africanos como pecadores e até “demônios”, isso faz com que todos percebam o quão difícil era aos europeus visitas a África ou se encontrar com alguém do continente na época, já que eram fortemente religiosos. Diversas imagens abstratas tratavam os africanos com figuras que nós não sabíamos nem explicar o que era, isso nos deixa entender de onde nasceu todo o preconceito que ainda existe na mente de muitas pessoas. Após revelar como algumas pessoas ainda se tratam dos africanos, ele fez questão de mostrar partes belíssimas de todos os países, lugares em que ninguém ousaria mencionar que está na África, o que foi um tapa ainda maior na cara de todos que imaginavam que no continente só existia destruição e fome. Após a ótima palestra do doutor, os intercambistas, Dilena, Ailson e o angolano que vive no Brasil, Fernando Wilson, puderam fazer parte de uma roda de conversa em que mostravam a África como ela realmente é! Dilena e Ailson logo conquistaram o público com o seu jeito jovem de falar e a forma como contavam do preconceito que sofriam e como venceram, a jovem estudante explicou que o seu país é tratado como pobre no Brasil, porém, a primeira vez em que ela viu algum homem dormir na rua foi aqui no Brasil, e também ressaltou que no seu país de origem não existia preconceito, brancos e negros viviam de forma igual e sem repressão. O estudante de Engenharia da Computação explicou que para ele os brasileiros não são um povo feliz, ele diz que o seu povo quando conhece alguém leva a pessoa por toda a vida, e muitos brasileiros sequer falam com o seu próprio vizinho de apartamento, ele diz não acreditar nesses atos. Fernando Wilson veio logo depois e contou um pouco mais sobre a Angola, os seus atuais governantes e sobre a história do seu país, ressaltando a importância desses espaços para mostrar um continente diferente da ficção que os veículos midiáticos mostram. Os três ficaram abertos a retirar dúvidas e finalizaram com chave de ouro o primeiro dia da Pluralidade Cultural 2017.

O segundo dia foi aberto com a segunda rodada da ONU Jr, os países que faltavam, Sudão, África do Sul, Zimbábue, Líbia, Marrocos e Egito puderam explicar como o HIV é tratado nos seus países e quais são as medidas tomadas para a diminuição do vírus. Após isso, todos puderam acompanhar as apresentações de todas salas começando pelo terceiro ano de Manutenção e Suporte de Informática, que coordenaram o evento e puderam se apresentar com vários ritmos e finalizar com o país de Moçambique, pela turma de terceiro ano de logística.

Todas as apresentações foram maravilhosas e puderam revelar de forma muito boa os países, as dificuldades que todos passam e todas as partes boas que existem nos seus países, isso tornou o dia ainda mais especial com a atuação e dança dos estudantes, enquanto que um torcia pelo outro. Todas as salas arrasaram em sua performance e a definição do resultado foi complicada, porém, merecida! Em primeiro lugar ficou o país Quênia, de forma muito justa, com a turma de 3° CV, em segundo lugar ficou o país Camarões, que também mereceu, com a turma de 3° DI, e em terceiro lugar ficou o país da África do Sul, que arrasou e mereceu entrar no pódio, com a turma de 2° Log A. Todas as equipes mostraram ter potencial para subir no pódio, mas essas três se sobressaíram, levantaram o público e arrasaram ainda mais que todas! Parabenizamos todas as turmas e principalmente essas três por todo o trabalho realizado nos últimos meses especialmente para esses dois dias, vocês, estudantes, são responsáveis por essa vitória de todas as turmas! Até o ano que vem.